Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os Estados Unidos qualificaram nesta quinta-feira a demolição de uma mesquita de 800 anos em Mossul pelo grupo Estado Islâmico (EI) como um ataque ao patrimônio mundial

(afp_tickers)

Os Estados Unidos qualificaram nesta quinta-feira a demolição de uma mesquita de 800 anos em Mossul pelo grupo Estado Islâmico (EI) como um ataque ao patrimônio mundial.

A mesquita de Al-Nuri e seu icônico minarete foram destruídos na quarta-feira enquanto as forças iraquianas estreitavam o cerco sobre as posições extremistas na parte norte da cidade.

A porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, afirmou que a destruição desta mesquita "é outra prova de que o EI não tem respeito pela identidade, pela cultura ou pela religião iraquiana".

O líder do grupo Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, aproveitou a importância simbólica deste local ao pronunciando lá o seu primeiro sermão como líder do grupo.

Mas os seguidores aparentemente preferiram demolir o santuário, em uma tentativa de culpar a aviação americana, antes de permitir que o mesmo caísse nas mãos das forças do governo iraquiano.

"Este ato desprezível é um crime não só contra as pessoas de Mossul e do Iraque, mas do mundo", disse Nauert.

"O mundo perdeu outra parte importante de seu patrimônio nas mãos do ISIS", acrescentou, usando a sigla em inglês para o EI.

AFP