Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Marines americanos durante cerimônia em Lashkar Gah, em 29 de abril de 2017

(afp_tickers)

O Exército dos Estados Unidos matou nesta semana o novo líder do grupo extremista Estado Islâmico (EI) no Afeganistão, durante um bombardeio na província de Kunar, três meses após abater o seu antecessor, informou o Pentágono nesta sexta-feira.

Os Estados Unidos estão intensificando a sua luta contra o grupo extremista no país por medo de que o Afeganistão se converta eventualmente no novo reduto do EI, que está perdendo terreno no Iraque e na Síria.

"As forças armadas americanas mataram Abu Sayed", líder do EI-Khorasan, nome da célula local do grupo no Afeganistão, "em um bombardeio ao quartel-general do grupo na província de Kunar em 11 de julho", explicou a porta-voz do Pentágono, Dana White, em um comunicado.

O "ataque aéreo matou também outros membros do EI-Khorasan e alterará significativamente os objetivos do grupo terrorista de intensificar a sua presença no Afeganistão", acrescentou.

"Quando você mata o líder de um desses grupos, faz com que ele retroceda", disse à imprensa o chefe do Pentágono, Jim Mattis. "É, sem dúvida, uma vitória fazer com que eles retrocedam. É a direção certa".

Abu Sayed é o terceiro "emir" da organização extremista no Afeganistão a ser abatido por Washington e Cabul, depois de Hafiz Sayed Khan no ano passado e Abdul Hasib no fim de abril.

Naquele momento, porta-vozes do Exército americano disseram que a morte de Hasib "ajudaria a alcançar o objetivo de destruí-los [os membros do EI] em 2017".

"Continuaremos até aniquilá-los", declarou o general John Nicholson, que lidera as forças americanas nesse país.

As forças afegãs e americanas lançaram uma ofensiva em março de 2017, destaca o Pentágono, para "enviar ao EI a mensagem clara de que não há santuário para os seus combatentes no Afeganistão".

AFP