Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os Estados Unidos se opõem a qualquer investigação do Tribunal Penal Internacional (TPI) sobre tropas americanas no Afeganistão, afirmou ao Conselho de Segurança

(afp_tickers)

Os Estados Unidos se opõem a qualquer investigação do Tribunal Penal Internacional (TPI) sobre tropas americanas no Afeganistão, afirmou ao Conselho de Segurança a embaixadora americana adjunta na ONU, Michele Sison, nesta quarta-feira (8).

"Não acreditamos que uma investigação do TPI serviria nem aos interesses de paz nem da Justiça no Afeganistão", disse a representante americana durante uma reunião do Conselho de Segurança dedicada à Líbia e ao TPI, na presença de sua promotora, a gambiana Fatou Bensouda.

"Os Estados Unidos acreditam que qualquer investigação ou outra atividade do TPI que concerne à equipe americana (no Afeganistão) é completamente injustificada", continuou Sison.

De acordo com a diplomata, seu país "está totalmente comprometido com o cumprimento da lei internacional e tem um robusto sistema nacional de investigação, prestação de contas e transparência que está entre os melhores do mundo".

Washington não ratificou o Estatuto de Roma, acordo fundador do TPI assinado em 1998 e que entrou em vigor quatro anos depois. O Afeganistão reconheceu a competência deste tribunal em fevereiro de 2003 e o autorizou a investigar crimes cometidos a partir de maio daquele ano.

No início do mês, Fatou Bensouda anunciou que pediria aos juízes do TPI para autorizar a abertura de uma investigação sobre os crimes de guerra supostamente cometidos durante o conflito afegão, particularmente pelo Exército americano.

Os Estados Unidos lideram uma coalizão militar no Afeganistão desde que expulsou o regime talibã em 2001.

Essa investigação poderia colocar pela primeira vez as forças militares americanas sob a análise do TPI, um tribunal especial destinado a processar os máximos responsáveis de genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra quando as jurisdições nacionais não querem, ou não podem fazê-lo.

Durante a sessão na ONU, Fatou Bensouda pediu ao chefe do Exército da Líbia, Khalifa Haftar, que entregue ao tribunal um comandante procurado por crimes de guerra.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP