Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O secretário de Estado americano, John Kerry (gravata laranja), participou de uma reunião da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean) em Naypyidaw, Mianmar, estendida a uma quinzena de sócios do bloco regional, entre eles Estados Unidos, China, Japão e União Europeia

(afp_tickers)

Os Estados Unidos elogiaram neste domingo a posição comum dos países do Sudeste Asiático no espinhoso tema das reivindicações territoriais no Mar da China Meridional, e negaram buscar um "confronto" com Pequim.

O secretário de Estado americano, John Kerry, participou de uma reunião da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean) em Naypyidaw, Mianmar, estendida a uma quinzena de sócios do bloco regional, entre eles Estados Unidos, China, Japão e União Europeia.

Os debates foram monopolizados pela tensão no Mar da China Meridional, onde Pequim e países da Asean disputam territórios marítimos.

Em um comunicado divulgado hoje, os 10 países do bloco regional expressam sua preocupação com a crise e pedem o fim dos "atos de desestabilização", referindo-se à China. Também se unem ao chamado de Washington à "contenção" e ao "congelamento" de reivindicações territoriais.

"Também conseguimos incentivá-los e atuamos como catalisadores" de uma postura comum da Asean, disse um diplomata do Departamento de Estado americano.

"Mas não queremos um confronto com a China", afirmou outra autoridade do governo americano. "Temos uma série de interesses e princípios que dirigem nosso enfoque na região e que são diferentes dos da China."

"Acredito que veremos progressos no Mar da China Meridional graças às conversas que tivemos aqui", apostou Kerry, em entrevista coletiva.

Ele também assinalou a "importância da negociação de um código de conduta" para gerir a polêmica envolvendo as águas em disputa, um texto que a Asean e Pequim discutem há mais de 10 anos.

A China alertou neste sábado que reagiria "com firmeza" em caso de violação de seus interesses no Mar da China Meridional. Seu chefe diplomático, Wanf Yi, reuniu-se ontem com Kerry.

Apesar da advertência de Pequim, o chanceler indonésio, Marty Natalegawa, considerou as discussões com a China positivas.

"Deixo esta reunião da Asean com a confiança renovada na capacidade da Associação de manter a paz e segurança na região", declarou.

Pequim reivindica a soberania de quase a totalidade do Mar da China Meridional, atravessado por importantes rotas marítimas e potencialmente rico em gás e recursos de pesca.

A China participa de disputas territoriais com Brunei, Malásia, Filipinas e Vietnã, bem como com Taiwan, que não faz parte da Asean (Mianmar, Brunei, Camboja, Indonésia, Laos, Malásia, Filipinas, Cingapura, Tailândia e Vietnã).

nr/abd/pt/at/sgf/jo/lb

AFP