Navigation

Estudantes comemoram 100 dias de protestos contra governo na Nicarágua

Estudantes protestam em 26 de julho de 2018 em Manágua para comemorar os 100 dias de manifestações contra o governo. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. julho 2018 - 00:58
(AFP)

Com os rostos cobertos por lenços, camisas ou máscaras, centenas de estudantes comemoraram os 100 dias de protestos e resistência ao governo do presidente Daniel Ortega, em meio a uma violenta repressão que já deixou mais de 300 mortos na Nicarágua.

"São 100 dias nos quais lutamos e devolvemos a esperança a este país para ser livre", disse à AFP o líder estudantil Lester Alemán, durante um show de protesto no sul de Manágua.

Alemán, membro da opositora Aliança Cívica que participa do diálogo com o governo, condenou a "caça às bruxas" deflagrada pela polícia e por grupos paramilitares contra os participantes dos protestos.

Ao menos 600 pessoas foram sequestradas por paramilitares e estão desaparecidas desde o início das manifestações, segundo a Associação Nicaraguense Pró-Direitos Humanos (ANPDH).

"Os estudantes hoje têm que esconder o rosto porque é crime" protestar, mas "seguiremos nos manifestando, mesmo que seja de forma anônima", disse Alemán.

Esta semana entrou em vigor a lei que pune com até 20 anos de prisão quem apoia ou participa dos protestos contra o governo.

"A perseguição do governo contra as pessoas que pensam diferente é injusta, mas em 100 dias de luta o povo perdeu o medo e vamos em frente até que a Nicarágua seja livre e democrática", disse à AFP um homem que se identificou como Bismark.

Segundo o Centro Nicaraguense dos Direitos Humanos (Cenidh), trabalhadores, estudantes e famílias inteiras são vítimas de perseguição, captura ou sequestro por participar das marchas opositoras ou ter um gesto humanitário com os que rejeitam o governo.

Os protestos na Nicarágua começaram em 18 de abril, com uma manifestação contra a reforma da Previdência, mas logo se transformaram em um movimento contra Ortega, que governa o país desde 2007, após sucessivas reeleições.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.