Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Atuns são organizados em um contânier em Avarua, nas Ilhas Cook, em 31 de agosto de 2012.

(afp_tickers)

Uma década de esforços para reduzir a sobrepesca manteve inalterados os estragos causados por décadas de exploração sem controle, de acordo com um estudo segundo o qual muitos ecossistemas marinhos estão "gravemente perturbados".

"Nos últimos 12 meses, a pressão da pesca diminuiu à metade" na União Europeia, com cotas cada vez mais restritivas, mas nem por isso foram conseguidos os "resultados esperados", explicaram os cientistas no comunicado.

De modo geral, a população (de peixes) não aumenta, e a estrutura dos ecossistemas permanece perturbada, com índices de produtividade e de diversidade que "não registram nenhuma melhora significativa", dizem os autores do estudo, publicado este mês na revista científica "Fish and Fisheries".

O estudo se concentra nos sete grandes ecossistemas europeus, do Mar Báltico à Costa Ibérica, passando pelo Mar do Norte e pelo Golfo de Vizcaya.

Para o coordenador do estudo, Didier Gascuel, diretor da Divisão de Pesca da Agrocampus Oeste (França), a explicação do escasso impacto da limitação da pesca é "bastante preocupante".

A "enorme sobre-exploração" das reservas europeias representou "praticamente o desaparecimento dos grandes genitores mais férteis". O resultado é que o "número de jovens peixes que nasce a cada ano de reprodução de diferentes estoques caiu pela metade em 20 anos".

Mas, segundo ele, é preciso levar em conta outros fatores, como o impacto das mudanças climáticas em uma possível redução da produtividade da cadeia alimentar e a deterioração dos hábitats costeiros essenciais ao ciclo de vida de algumas espécies.

A pressão da pesca, que começou a crescer no final da II Guerra Mundial, não parou de aumentar até o final dos anos 1990, com os primeiros indícios de sobre-exploração já a partir dos anos 1950 (o arenque, o linguado e a azevia no Mar do Norte, por exemplo).

Em geral, a pesca capturada em águas europeias se reduziu pela metade em 30 anos e equivale atualmente ao nível dos anos 1950.

De qualquer forma, os resultados dos esforços para reduzir a pesca tiveram resultados diferentes, dependendo das espécies.

Algumas reservas demonstraram "sinais bastante espetaculares de reconstituição", como a merluza, cuja população triplicou em 10 anos. Mas, "outras espécies estão em mínimos", como o linguado do Golfo de Vizcaya, ou o bacalhau do Mar do Norte.

Mais de 80% das capturas de peixes em águas europeias são feitas por frotas pesqueiras desse continente.

AFP