Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A manipulação dos motores planejada pelas montadoras para que os veículos parecessem mais ecológicos pode ter causado 5.000 mortes apenas na Europa, afirma estudo

(afp_tickers)

A manipulação dos motores planejada pelas montadoras para que os veículos parecessem mais ecológicos pode ter causado 5.000 mortes apenas na Europa, indica um estudo publicado nesta segunda-feira.

Os números estão em sintonia com previsões anteriores sobre o número de falecidos em consequência do grande escândalo "Dieselgate", revelado em 2015 quando a Volkswagen admitiu a manipulação dos motores.

Desde então, outras montadoras estão sob suspeita.

Em maio, um estudo da revista científica Nature calculou que o "excesso" de emissões poluentes dos veículos as diesel teria provocado em todo o mundo 38.000 mortes prematuras em 2015.

O novo estudo, publicado pela revista Environmental Research Letters, se concentra na incidência na Europa.

Um grupo de pesquisadores da Noruega, Áustria, Suécia e Holanda calculou que a cada ano 10.000 mortes na Europa podem ser atribuídas a micropartículas emitidas por veículos leves que funcionam a diesel.

Quase metade das mortes poderiam ser evitadas, caso as emissões de óxido de nitrogênio fossem ajustadas aos testes de laboratório.

A Volkswagen admitiu o uso de softwares ilegais para que os carros apresentassem resultados com menos emissões durante os testes.

Os países mais afetados são Itália, Alemanha e França, indicam os pesquisadores. Sãos os que têm maiores populações e maior taxa de carros a diesel.

Atualmente a Europa tem quase 100 milhões de carros a diesel, o dobro que o restante dos países, de acordo com os cientistas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP