Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma cartela de pílulas é vista na França, no dia 11 de fevereiro de 2015

(afp_tickers)

Suplementos à base de óleo de peixe ricos em ácidos graxos Ômega-3 não protegem contra declínio da atividade mental, contrariando uma crença popular, segundo um estudo feito com quatro mil idosos, divulgado nesta terça-feira.

O estudo clínico de 5 anos de duração, publicado no Jornal da Associação Médica Americana, é "um dos maiores já feitos na área", de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Americano, que financiou a pesquisa.

"Ao contrário da crença popular, nós não encontramos nenhum benefício no Ômega-3 em parar o declínio cognitivo", afirmou a autora da pesquisa, Emily Chew, diretora clínica na Instituto Nacional do Olho.

Os ácidos-graxos Ômega-3 são encontrados em óleos de peixe e as pessoas que consomem com regularidade pescados salmão, atum e linguado apresentaram melhor saúde ocular, cardíaca e cerebral em comparação com quem não consume estes alimentos.

Porém, consumir os óleos em forma de pílulas não é a mesma coisa. Um estudo em 2011 mostrou que suplementos de Ômega-3 não melhoravam a saúde do cérebro de pacientes idosos com doenças de coração pré-existentes.

O estudo atual foi feito com pessoas com perdas de visão comum, chamada degeneração macular relacionada à idade (DMRI). Os pacientes tinham em média 72 anos e 58% eram mulheres.

Eles foram selecionados aleatoriamente para tomar ou um placebo ou pílulas com ácidos-graxos Ômega-3, especialmente ácido docosa-hexaenoico e o ácido eicosapentaenoico.

Os participantes foram submetidos a testes cognitivos e de memória no começo do estudo e então novamente 2 e 4 anos depois.

"Os níveis cognitivos de cada grupo decaíram de forma similar com o tempo, indicando que nenhuma combinação de suplementos nutricionais fez alguma diferença", destacou o estudo.

Aproximadamente 47 milhões de pessoas no mundo sofrem de demência, um número que deverá atingir os 131,5 milhões em 2050, de acordo com o Instituto Internacional do Alzheimer.

AFP