Um grande estudo com quase 100.000 pacientes com COVID-19 descartou que a cloroquina e a hidroxicloroquina são eficazes contra o novo coronavírus, enfatizando que os dois medicamentos aumentam o risco de morte.

A hidroxicloroquina é normalmente usada para tratar doenças como a artrite, enquanto a cloroquina é empregada no tratamento da malária.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que tomava a hidroxicloroquina como medida preventiva contra a COVID-19, enquanto o governo de Jair Bolsonaro recomenda ambos para o tratamento de pacientes com sintomas leves do novo coronavírus.

Os autores do estudo, publicado nesta sexta-feira na revista científica The Lancet, enfatizam que os dois medicamentos não tiveram efeito em pacientes hospitalizados com COVID-19.

Com base em dados de 96.000 pacientes internados em centenas de hospitais, os pesquisadores concluíram que ministrar essas drogas aumentava o risco de morte nos enfermos.

Para chegar a esta conclusão, compararam os resultados de quatro grupos: aqueles que foram tratados apenas com hidroxicloroquina, apenas com cloroquina e dois grupos que receberam um dos dois combinado com antibióticos.

Houve também um grupo de controle de pacientes que não receberam nenhum desses tratamentos. No final do estudo, 9% deles morreram.

Entre aqueles que foram tratados apenas com hidroxicloroquina e cloroquina, 18% e 16,4% morreram, respectivamente.

Com antibióticos, morreram 22,8% daqueles que receberam cloroquina e 23,8% daqueles que tomaram hidroxicloroquina.

Com base nesses dados, os autores do estudo estimaram que, com esses medicamentos, os pacientes apresentavam um risco 45% maior de morrer do que aqueles que já sofriam de algumas patologias.

"O tratamento com cloroquina ou hidroxicloroquina não beneficia os pacientes com COVID-19", disse Mandeep Mehra, principal autor do estudo e diretor executivo do Brigham and Women's Hospital Center for Advanced Heart Disease, em Boston.

"Pelo contrário, nossa constatação sugere que pode estar associado a um risco aumentado de problemas cardíacos graves e a um risco aumentado de morte", afirmou.

Vários estudos anteriores já haviam destacado a falta de benefícios da hidroxicloroquina e seus possíveis riscos.

Trump defende a hidroxicloroquina, apesar de a agência governamental FDA desaconselhar seu uso para o tratamento da COVID-19.

A Grã-Bretanha, por sua vez, fez um pedido desse medicamento no valor de US$ 42 milhões.

Stephen Griffin, professor associado da Faculdade de Medicina da Universidade de Leeds, que não participou do estudo publicado na The Lancet, estimou que esses resultados "podem ser cruciais para o tratamento da COVID-19".

"Eles indicam que esses medicamentos não devem ser usados fora de um estudo clínico, que permite que os pacientes sejam monitorados quanto a complicações", disse Griffin.

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Conteúdo externo

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.