Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um mosquito Aedes aegypti é visto em um laboratório, em San Salvador, no dia 27 de janeiro de 2016

(afp_tickers)

O surto do vírus da zika, vinculado a um aumento nos casos de microcefalia, provavelmente atingiu o seu ápice na América Latina, e a epidemia deve acabar dentro de três anos, segundo um estudo publicado na revista científica americana Science na quinta-feira.

"A epidemia explosiva atual vai se esgotar sozinha devido a um fenômeno chamado imunidade de grupo", disse Neil Ferguson, professor da Escola de Saúde Pública do Imperial College London, onde o estudo foi realizado.

"Uma vez que o vírus é incapaz de infectar a mesma pessoa duas vezes - graças ao sistema imunológico que gera anticorpos para matá-lo -, a epidemia atinge um estágio em que restam muito poucas pessoas para ser infectadas, de modo que a transmissão não se sustenta", explicou o pesquisador.

Isso deve acontecer dentro de dois ou três anos, acrescentou.

Depois, essa imunidade de grupo "provavelmente vai atrasar a próxima grande epidemia de zika por mais de uma década", disse Ferguson.

Embora tenha sido descoberto em 1947, o vírus pegou as autoridades de saúde pública de surpresa no ano passado quando começou a se espalhar pelas Américas e causar defeitos de nascimento.

O Brasil é o país mais afetado pelo aumento dos casos de recém-nascidos com malformações irreversíveis. Desde outubro passado, foram notificados 8.451 casos suspeitos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, dos quais 1.687 foram confirmados, de acordo com dados do Ministério da Saúde divulgados nesta quarta-feira.

Antes da epidemia, o Brasil registrava, em média, menos de 200 casos anuais de microcefalia - malformação que se caracteriza por um tamanho abaixo da média da cabeça de recém-nascidos e que prejudica o desenvolvimento cerebral.

Infecções pelo zika foram notificadas em dezenas de países no Caribe e na América Latina. O vírus é transmitido principalmente através do mosquito Aedes aegypti.

Os Estados Unidos têm observado um aumento do número de casos importados, mas até o momento não foi registrada nenhuma transmissão local no país.

Vacina tarde demais?

Ferguson também alertou que as pesquisas em curso para desenvolver uma vacina - que as autoridades disseram que pode levar vários anos para ficar pronta - podem ser concluídas tarde demais.

"Se nossas projeções estão corretas, o número de casos terá diminuído substancialmente até o final do ano que vem, se não antes", afirmou o pesquisador.

"Isso significa que quando tivermos vacinas prontas para serem testadas, talvez não haja mais casos suficientes de zika na comunidade para testar se a vacina funciona", acrescentou.

Em meio a preocupações sobre a potencial propagação do zika durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos no Rio de Janeiro, que serão realizados em agosto e setembro, respectivamente, um relatório divulgado na quarta-feira pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos afirma que o risco de transmissão durante o evento é baixo.

Cerca de 500.000 atletas e visitantes internacionais de 207 países devem viajar para o Rio, mas "este volume de viagens representa uma fração muito pequena - menos de 0,25% - do total de viagens realizadas em 2015 para países afetados pelo zika", disse o CDC.

O relatório destaca, ainda, que o risco de infecções durante os Jogos é baixo porque estes vão ocorrer durante o inverno, "quando o clima mais frio e seco tipicamente reduz as populações de mosquitos".

O CDC alertou, porém, que as mulheres grávidas não devem viajar para os Jogos Olímpicos, e que todos os visitantes devem tomar medidas para evitar picadas de mosquito e prevenir uma potencial transmissão sexual do vírus.

A agência americana mostrou preocupação, particularmente, com o risco do zika se propagar pelo Chade, Djibuti, Eritreia e Iêmen após os Jogos.

O relatório afirma que "estes quatro países não têm um número substancial de viagens para nenhum país com transmissão local do vírus da zika, exceto pela sua participação nos Jogos, e têm condições ambientais e suscetibilidade da população para sustentar uma transmissão por mosquitos do vírus da zika".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP