Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O avião Solar Impulse 2, em Nanquim, China, no dia 21 de abril de 2015

(afp_tickers)

A etapa mais desafiadora do voo ao redor do mundo do Solar Impulse 2, alimentado apenas pelo sol, foi adiada nesta terça-feira devido a preocupações sobre o clima - informaram os organizadores.

A aeronave monolugar estava programada para deixar Nanjing, no leste da China, rumo ao Havaí, no Oceano Pacífico, logo no início da manhã. O voo seria de 8.500 quilômetros.

Mas a aguardada sétima e mais longa parte da jornada deste avião movido apenas a energia solar foi atrasada mais uma vez devido a preocupações técnicas sobre o clima.

"O voo que tanto aguardamos para esta noite não vai acontecer", disse o porta-voz do Solar Impulse, Connor Lennon, em um post de vídeo no canal do YouTube do grupo.

O diretor da missão, Raymond Clerc, disse que nuvens sobre Nanjing e do Mar do Japão dificultaram a decolagem e a viagem levaria sete dias e sete noites, dois a mais que o previsto inicialmente - tempo longo demais, segundo ele.

"Temos grandes problemas que adicionados (juntos) tornam o risco muito alto", explicou Clerc no vídeo.

Os meteorologistas estão estudando as condições climáticas e devem saber em "algumas horas" se a aeronave será capaz de decolar nos próximos dias, acrescentou.

A nave Solar Impulse 2 já passou quase dois meses na China após chegar ao aeroporto de Chongqing vindo de Mianmar em 31 de março, onde também ficou parada em razão de problemas climáticos.

A jornada da nave movida a energia solar começou em março em Abu Dhabi, com 12 escalas planejadas - com um total de voo de 25 dias.

AFP