Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O comércio de veículos, autopeças e combustível, atualmente em seu auge, contribuiu para as vendas retomarem o fôlego no mês passado, após um ano de resultados magros

(afp_tickers)

As vendas de automóveis e de gasolina levaram o setor varejista dos Estados Unidos a registrar, em setembro, seu nível mais elevado em mais de dois anos, informou nesta sexta-feira (13) o Departamento de Comércio.

O comércio de veículos, autopeças e combustível, atualmente em seu auge, contribuiu para as vendas retomarem o fôlego no mês passado, após um ano de resultados magros. Isso pode ajudar na aceleração do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre.

Os consumidores americanos gastaram 483,9 bilhões de dólares no mês passado, segundo dados ajustados pelas variações sazonais, 1,6% a mais que em agosto e o maior incremento mensal desde março de 2015, mas em linha com as expectativas dos analistas. A cifra, além disso, marca uma alta de 4,4% ante setembro de 2016.

As vendas de carros aumentaram 3,6%, também no seu melhor índice desde março de 2015, enquanto as de gasolina nas estações de serviço tiveram seu melhor desempenho mensal desde fevereiro de 2013, com 5,8% a mais que no mês anterior e 11% de alta em relação a setembro de 2016.

Excluindo o setor de automóveis e combustíveis, muito volátil, as vendas a varejo tiveram uma alta modesta de 0,5%, após um avanço de 0,1% em agosto.

Bares e restaurantes registraram um bom mês, com alta de 0,8%, enquanto o comércio eletrônico através de lojas como Amazon e Jet continuou expandindo-se, em 0,5% em setembro. As vendas em lojas físicas, ao contrário, retraíram 0,4% em setembro, após queda de 0,2% em agosto.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP