Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O Secretário de Defesa americano, Chuck Hagel (e), ao lado do general Martin Dempsey, chefe do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos, em uma coletiva de imprensa no Pentágono, em Washngton.

(afp_tickers)

As principais autoridades das Forças Armadas dos Estados Unidos admitiram nesta quinta-feira que o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) é mais do que um "grupo terrorista tradicional" e afirmaram que só pode ser contido e derrotado se for atacado no Iraque e na Síria.

"Eles aliam ideologia e uma sofisticação estratégica e tática de nível militar. São extremamente bem estruturados. Isso está além de qualquer coisa que já vimos", disse o secretário de Defesa americano Chuck Hagel a jornalistas.

Já o chefe do Estado-Maior conjunto, general Martin Dempsey, considerou que o grupo só pode ser neutralizado se for atacado em duas frentes ao mesmo tempo.

"Esta é uma organização que tem uma visão estratégica apocalíptica que eventualmente tem que ser derrotada", disse o general Dempsey. "Pode ser derrotada sem nos voltarmos também para a parte dessa organização que está na Síria? A resposta é não".

AFP