Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trabalhadores rurais colhem cebolinha em um campo no vale de Mexicali, estado de Baja Califórnia, México, na fronteira com os EUA

(afp_tickers)

Estados Unidos, México e Canadá concluíram neste domingo, em Washington, a primeira rodada de debates para modernizar o Nafta, o tratado de livre comércio que há 23 anos aboliu as fronteiras comerciais, comprometidos em conseguir um "resultado ambicioso" em negociações em "ritmo rápido".

"O alcance e o volume das propostas durante a primeira rodada de negociação refletem um compromisso dos três países com um resultado ambicioso e reafirma a importância de modernizar as normas que regem a maior zona de livre comércio do mundo", destacaram em um comunicado.

Desde a quarta-feira, "mais de duas dúzias de temas" foram postos na mesa, indicou o texto conjunto, que não detalhou o conteúdo da discussão, mas destacou a necessidade de avançar com rapidez.

"Canadá, México e Estados Unidos estão comprometidos com um processo de negociação acelerado e amplo que melhorará nosso acordo e estabelecerá padrões do século XXI em benefício dos nossos cidadãos", afirmaram.

Vigente desde 1994, o Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês) abrange quase 500 milhões de pessoas e representa um quarto da economia mundial.

Segundo o anunciado, as equipes chefiadas por John Melle (Estados Unidos), Kenneth Smith (México) e Steve Verheul (Canadá) começaram a avançar um texto e acordaram apresentar "comentários adicionais ou propostas alternativas" nas próximas duas semanas, após consultas em nível nacional com empresários, sindicatos e representantes da sociedade civil.

A segunda rodada de conversações está prevista para 1 a 5 de setembro no México, com uma terceira no Canadá no final de setembro, uma quarta em outubro, novamente nos Estados Unidos, e "adicionais planejadas para o restante do ano".

"As negociações continuarão neste ritmo rápido", indicou o texto conjunto.

- "Um processo difícil" -

Embora ao lançar os debates os três países tenham coincidido no imperativo de renovar a Nafta, desenhado antes do auge do comércio eletrônico, a renegociação iniciada a pedido do presidente americano, Donald Trump, se antecipa complexa, em particular por sua agenda protecionista.

"A questão é como revitalizar o Nafta para fortalecer a posição competitiva da região e integrar os que ficaram para trás nos benefícios da globalização?", perguntou-se na semana passada Luz María de la Mora, especialista em comércio internacional, em uma conferência organizada pelo centro de análise Wilson Center.

Crucial para a economia mexicana, que com o Nafta multiplicou exponencialmente suas vendas aos Estados Unidos, o pacto havia sido duramente questionado por Trump, que ameaçou abandoná-lo por considerá-lo um "desastre" para os interesses americanos.

Washington questiona o déficit de sua balança comercial com o México, que desde 1994 passou de um excedente de 1,3 bilhão de dólares a um déficit 64 bilhões de dólares. Além disso, critica a perda de empregos pela instalação de fábricas em território mexicano pela mão de obra barata.

O representante de Comércio exterior dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, advertiu na quarta-feira que o Nafta requeria mudanças de fundo e não meros retoques cosméticos, depois de ter "falhado" a muitos americanos.

"As opiniões do presidente sobre o Nafta - que compartilho por completo - são bem conhecidas. Quero deixar claro que ele não está interessado em um mero ajuste de algumas disposições, e uns poucos capítulos atualizados", disse.

Em contraste, em um tom mais conciliador, seus contrapartes destacaram os benefícios do pacto.

Para a ministra das Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland, que defendeu um tratado "mais progressista" em termos de gênero, meio ambiente e proteção dos aborígines, a renegociação é "histórica"

Sem deixar de reconhecer que o Nafta está "à prova", o secretário de Economia do México, Ildefonso Guajardo, mostrou-se otimista.

"Pode ser um processo difícil, mas estou convencido de que os benefícios que poderemos obter para nossos países justificam este e qualquer esforço", disse.

Entre os temas principais das negociações, além do desbalanço comercial e os padrões trabalhistas, está o das regras de solução de controvérsias, especialmente sensível para o Canadá por discrepâncias com os Estados Unidos pelo setor da madeira, e a espinhosa discussão sobre as normas de origem.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP