Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes protestam em 13 de agosto de 2013 contra o assassinato de um jovem negro desarmado, abatido por um policial, em Ferguson, nos Estados Unidos.

(afp_tickers)

A polícia do estado do Missouri (centro dos Estados Unidos) assumirá a segurança da cidade de Ferguson, anunciou a administração local nesta quinta-feira, cinco dias depois do assassinato de um jovem negro desarmado, abatido por um policial.

"Isso parece uma zona de guerra, e isso não é aceitável", disse o governador Jay Nixon, referindo-se à situação reinante em Ferguson, onde policiais do Batalhão de Choque fortemente armados controlam os protestos e conflitos deflagrados com a morte do rapaz.

"Temos de nos manter unidos para reconstruir a confiança perdida e ajudar essa comunidade a encontrar sua estabilidade", afirmou.

O governador escolheu o chefe da Polícia Rodoviária do Missouri, capitão Ron Johnson, para liderar as operações em Ferguson a partir desta quinta à noite. Nos Estados Unidos, a Polícia Rodoviária é de jurisdição estadual, e não federal.

Johnson é natural dessa cidade e é negro, como pelo menos 14.000 dos 20.000 habitantes locais. Já a polícia é de maioria branca.

"Cresci aqui, e essa é minha comunidade e minha casa", disse o capitão. "Significa muito, para mim, romper esse ciclo de violência e reconstruir a confiança", acrescentou, garantindo que irá para as ruas ainda esta noite.

As tensões aumentaram no domingo, depois de uma cerimônia em memória de Michael Brown, de 18 anos, morto pela polícia em circunstâncias não esclarecidas no último sábado, 9 de agosto.x'

AFP