Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Com um colete à prova de balas e três armas de fogo, Dekraai irrompeu em outubro de 2011 no Salon Meritage e disparou contra os clientes e funcionários, entre os quais estava sua ex-esposa

(afp_tickers)

Um tribunal da Califórnia condenou nesta quinta-feira à prisão perpétua um homem que foi declarado culpado de matar sua ex-esposa e outras sete pessoas ao entrar atirando em um salão de cabeleireiro ao sul de Los Angeles em 2011.

Scott Evans Dekraai, de 47 anos, foi sentenciado a passar a vida na prisão sem chance de liberdade condicional. A Promotoria pedia a pena capital, que é legal na Califórnia.

O juiz Thomas Goethals disse que Dekraai era o "rosto do mal" e assegurou aos familiares das vítimas que não tê-lo condenado à morte não foi uma vitória para a defesa.

Uma prisão de segurança máxima é a "definição de um tempo muito duro", indicou.

Com um colete à prova de balas e três armas de fogo, Dekraai irrompeu em outubro de 2011 no Salon Meritage e disparou contra os clientes e funcionários, entre os quais estava sua ex-esposa.

Durante a audiência, Dekraai tentou se desculpar, gerando em vários momentos um coro de pranto entre os familiares das vítimas.

"Há muito tempo queria me desculpar (...). Sou o único culpado pela perda do meu autocontrole", expressou.

A Promotoria do condado de Orange, vizinho a Los Angeles, disse em comunicado que não estava de acordo com a decisão de Goethals de "descartar a possibilidade da pena de morte para o homem que se tornou o maior assassino em massa na história do condado".

Um dia antes do tiroteio, Dekraai e sua ex-esposa compareceram a uma audiência sobre a custódia de seu filho - então com oito anos -, que foi negada ao pai. As autoridades afirmaram que o homem queria vingança.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP