Navigation

EUA acumula fracassos com Venezuela e Cuba, diz vice venezuelana

A vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, e o vice-primeiro-ministro de Cuba, Ricardo Cabrisas Ruiz, em Havana, 9 de março de 2021 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 09. março 2021 - 21:36
(AFP)

A vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, pediu ao governo dos Estados Unidos nesta terça-feira (9) que reflita sobre sua política de embargo contra Cuba e seu país, porque os americanos vêm de "fracasso em fracasso", causando "sofrimento" a venezuelanos e cubanos.

“Faço um apelo à reflexão sobre os Estados Unidos, eles vêm de fracasso em fracasso, não repitam esse caminho, não causem mais sofrimento ao povo de Cuba, ao povo da Venezuela”, pediu Rodríguez, durante a assinatura dos acordos da comissão intergovernamental entre Cuba e a Venezuela em Havana.

Em seu segundo dia de visita a Cuba, a vice-presidente da Venezuela endossou os laços com a ilha, num momento em que os dois países estão sujeitos a duras sanções impostas pelo ex-presidente norte-americano Donald Trump e que seu sucessor, Joe Biden, não parece ter pressa para modificar.

Os governos de Cuba e da Venezuela firmaram uma série de acordos, inclusive sobre agroalimentação, que visa gerenciar a difícil situação que ambos os países enfrentam para dar acesso a alimentos para suas populações.

O caminho da cooperação agroalimentar é “muito importante, porque uma forma de chantagem também neste bloqueio é atentar contra a comida do povo de Cuba, do povo da Venezuela”, acusou Rodríguez em uma cerimônia na qual estava acompanhada pelo vice-primeiro-ministro cubano, Ricardo Cabrisas Ruiz.

“A resposta ao embargo é a nossa cooperação, garantindo a segurança e a soberania agroalimentar”, acrescentou.

Por sua vez, Cabrisas Ruiz destacou o cenário extremamente complexo devido à crescente crise econômica no mundo e os efeitos negativos da covid-19.

O vice-primeiro-ministro destacou que a cooperação entre os dois países visa alcançar a soberania agroalimentar e fortalecer outras áreas-chave como a saúde.

Este esforço “inclui o controle dos efeitos da pandemia do coronavírus e ações para o desenvolvimento e aplicação de vacinas candidatas cubanas”, afirmou.

Cuba iniciou esta semana a terceira e última fase de testes clínicos de sua vacina candidata Soberana 2, a única integralmente desenvolvida por um país latino-americano.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?