Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Nestor Reverol Torres, em Caracas, no dia 23 de abril de 2009

(afp_tickers)

Dois militares encarregados no passado do combate às drogas na Venezuela foram acusados nesta segunda-feira nos Estados Unidos, à revelia, de participar de uma rede de tráfico de drogas que introduziu cocaína no território americano, informou a promotoria federal de Nova York.

Os acusados são Nestor Reverol Torres, 51 anos, ex-diretor do Escritório Nacional Antidrogas (ONA) e ex-comandante da Guarda Nacional da Venezuela, e Edylberto José Molina Molina, 53, ex-subdiretor da ONA e atual adido militar na Alemanha.

Segundo a promotoria, os dois "utilizaram suas posições de poder para facilitar (a operação de) organizações de narcotráfico".

A acusação, decretada por um juri popular do Brooklyn, envolve crimes cometidos entre 2008 e 2010, quando os dois trabalhavam na agência venezuelana para o combate às drogas.

Segundo a promotoria, Reverol e Molina receberam dinheiro de narcotraficantes em troca de informações sobre operações policiais que permitiram a saída de carregamentos de drogas do país.

A dupla também agiu para liberar drogas apreendidas e libertar suspeitos, impediu prisões de narcotraficantes e bloqueou a deportação de condenados por tráfico de drogas.

De acordo com os promotores, Reverol e Molina definitivamente ajudaram grupos de narcotraficantes a "introduzir cocaína para sua distribuição nos Estados Unidos".

O promotor federal do distrito leste de Nova York, Robert Capers, denunciou o que chamou de "o mais insidioso e perigoso aspecto do narcotráfico internacional - a habilidade dos cartéis de infiltrar e corromper os mais altos escalões do governo".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP