O departamento de Justiça dos Estados Unidos acusou nesta quarta-feira uma ex-agente de inteligência da Força Aérea de espionar para o Irã.

As autoridades indicaram que Monica Witt, que trabalhou durante anos na contraespionagem da Força Aérea, passou por "uma mudança ideológica" contra seu país e expôs as operações secretas dos Estados Unidos contra o Irã.

Segundo as fontes, a agente teria exposto um agente americano e ajudado a Guarda Revolucionária a atacar seus ex-colegas em ataques cibernéticos.

"É um dia triste para os Estados Unidos quando um de seus cidadãos trai nosso país", declarou o procurador-geral adjunto John Demers.

Os Estados Unidos emitiram um mandado de prisão internacional contra a suspeita.

lém disso, mais quatro iranianos foram acusados de terem liderado ataques informáticos contra pelo menos oito antigos ex-colegas de Witt entre 2014 e 2015.

Acredita-se que, em nome da Guarda Revolucionária, eles tentaram introduzir um programa malicioso em seus computadores.

O departamento do Tesouro também anunciou sanções contra a sociedade iraniana New Horizon por ter organizado conferências que serviram como plataforma para recrutar Witt e outra empresa por supostamente realizar ataques cibernéticos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.