Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O diretor da FDA, Scott Gottlieb

(afp_tickers)

A agência federal de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos, a FDA, aprovou nesta quarta-feira a comercialização da segunda terapia gênica no mundo para tratar linfomas agressivos.

Este novo tipo de tratamento consiste em modificar geneticamente o sistema imunológico de um doente para combater as células cancerígenas.

A FDA (Food and Drug Administration) havia autorizado em agosto a primeira terapia gênica, o Kymriah, do laboratório Novartis, para tratar uma forma muito agressiva de leucemia em crianças e adultos jovens.

A Yescarta, aprovada esta semana, foi desenvolvida inicialmente pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos e a patente foi adquirida pela empresa Kite Pharma. Esta foi comprada recentemente pelo grupo Gilead por 11,9 bilhões de dólares.

A terapia foi autorizada pela FDA para adultos que sofrem de uma forma agressiva de linfoma diferente da doença de Hodgkin, que não responderam a uma série de dois tratamentos de quimioterapia.

Quase 3.500 pessoas por ano poderiam estar nesta condição nos Estados Unidos, de acordo com o grupo Gilead.

Esta imunoterapia consiste em extrair células imunológicas do paciente para modificá-las geneticamente em laboratório e cultivá-las, antes de reinjetá-las em apenas uma dose.

O custo do tratamento para uma pessoa é de 373.000 dólares, mais barato que o Kymriah, avaliado em 475.000 dólares.

A Novartis, no entanto, informou em agosto que não cobraria dos pacientes que não respondessem ao tratamento no primeiro mês.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP