Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O primeir-ministro russo, Dmitry Medvedev, fala durante um encontro com estudantes de Direito de São Petersburgo, em 20 de junho de 2014.

(afp_tickers)

O embargo da Rússia às importações de alimentos da Europa e dos Estados Unidos imposto nesta quinta-feira terá um impacto insignificante na economia americana, disse um alto funcionário do Tesouro.

O embargo anunciado pelo primeiro-ministro Dimitri Medvedev foi estabelecido em retaliação às sanções dos Estados Unidos e da Europa contra a Rússia, por seu suposto papel na violência separatista no leste da Ucrânia.

"Os passos que a Rússia anunciou terão um impacto insignificante na economia americana, mas também são, em alguns aspectos, uma ironia cruel", disse David Cohen, subsecretário para terrorismo e inteligência financeira.

"O que os russos fizeram aqui é essencialmente impor sanções contra seu próprio povo. E eles impuseram o tipo de sanções -- limitando o acesso aos alimentos -- que os Estados Unidos e nossos aliados nunca fariam", afirmou Cohen em uma entrevista por telefone.

Cohen declarou que, por questões de política, os Estados Unidos não visam alimentos, medicamentos ou equipamentos médicos quando aplicam sanções contra outro país.

Medvedev disse que o embargo russo vai impedir as importações de carne, frutas, legumes e vegetais, e pescado da União Europeia, dos Estados Unidos, da Austrália, do Canadá e da Noruega, por um período de um ano. Apenas alimentos para bebês foram deixados de fora.

AFP