Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

De acordo com o tenente-general americano William Mayville, os Estados Unidos não têm planos de expandir sua campanha de ataques aéreos no Iraque além do necessário à proteção dos funcionários americanos.

(afp_tickers)

Os Estados Unidos não têm planos de expandir sua campanha de ataques aéreos no Iraque além do necessário à proteção dos funcionários americanos na cidade de Erbil e dos refugiados yazidis, anunciou o Pentágono nesta segunda-feira.

"Não há planos para expandir a atual campanha aérea além das atividades de autodefesa", disse o tenente-general William Mayville aos jornalistas no Departamento americano da Defesa.

O envio de aviões e de drones americanos após a retirada das tropas do país despertou o temor de que Washington seja arrastado de novo para uma guerra.

Mayville insistiu, porém, em que não ampliará a missão. "Atualmente, nossa principal tarefa - e é o que estamos fazendo nesse exato momento - é proteger as instalações e os cidadãos americanos nessas instalações", comentou.

O tenente-geral disse ainda que a missão tem como objetivo "proteger os aviões que estão fornecendo ajuda humanitária ao redor do Monte Sinjar e atacar as posições do Estado Islâmico que estão cercando o Monte Sinjar".

O porta-voz acrescentou que os aviões americanos fazem "entre 50 e 60 saídas por dia" desde o início da operação na semana passada.

Matérias da imprensa apontam que os Estados Unidos ou as forças aliadas poderão tentar abrir um corredor humanitário para Sinjar, com o objetivo de resgatar refugiados, mas Mayville afirmou que essa opção é "complicada".

"Nesse exato momento, estamos pressionados pela imediação da crise, e estamos concentrados em dar um alívio imediato aos que estão sofrendo", disse.

"Estamos considerando os resultados que obtemos nesses lugares sitiados pelo EI e tentamos reduzir essa ameaça. E em curto prazo nós nos focaremos nisso", acrescentou.

AFP