Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, deu voz às críticas de Washington contra o regime de Mianmar

(afp_tickers)

Os Estados Unidos acusaram Mianmar nesta quinta-feira da "limpeza étnica" da minoria muçulmana dos rohinyas, assegurando que o massacre deve envergonhar o governo de Aung Sang Suu Kyi.

Na reunião do Conselho de Segurança da ONU, a embaixadora americana, Nikki Haley, pressionou para que os chefes do Exército birmanês enfrentem ações do organismo multilateral ante a violência e fez críticas profundas contra o governo civil.

"Não podemos ter medo de chamar a ação das autoridades birmanesas do que parecem ser: uma brutal e sustentada campanha para limpar o país de uma minoria étnica", disse Haley.

"Deve ser uma vergonha para os altos líderes birmaneses que sacrificaram tanto por um país aberto e democrático", acrescentou.

Haley também pediu que o tempo para as "palavras diplomáticas passou" e disse que o Conselho deve "considerar ações contra as forças de segurança birmanesas que estão envolvidas em abusos".

Mais de meio milhão de rohinyas fugiram de Rakhine, no oeste de Mianmar, à vizinha Bangladesh no último mês em meio à violência contra essa minoria muçulmana.

Já a ONU havia tachado o que vem ocorrendo no país de "limpeza étnica".

Suu Kyi, ganhadora de um prêmio Nobel e líder de fato do governo, é muito criticada por não defender os rohinyas.

Mas seus aliados dizem que a mulher de 72 anos carece de poder para controlar o exército, com o qual mantém um acordo delicado no qual compartilham o poder desde as eleições de 2015.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP