Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Steven Mnuchin, ministro americano do Tesouro, durante discurso em Riad, no dia 25 de outubro de 2017

(afp_tickers)

Estados Unidos e seis Estados do Golfo anunciaram nesta quarta-feira (25) sanções contra as principais figuras dos grupos extremistas Estado Islâmico (EI) e Al-Qaeda no Iêmen, na primeira ação do Centro Contra o Financiamento do Terrorismo (TFTC), liderado por Washington e Riad.

Um dos sancionados é Abu Sulayman al-Adani, identificado como o líder da crescente operação do EI no Iêmen.

Também foram incluídos Radwan Muhammad Husayn Ali Qanan, que estaria a cargo do planejamento de assassinatos do EI, e seu principal financiador, Abdulrab Salem de Sayf al-Hayashi, dono de uma cadeia de supermercados.

A medida aponta para o congelamento dos ativos no Golfo e na jurisdição dos Estados Unidos de 11 pessoas e duas entidades que seriam fundamentais para as operações no Iêmen do EI, e na Península Arábica da Al-Qaeda.

"Este inovador e audacioso enfoque multilateral é necessário porque o terrorismo é uma ameaça para todas as nossas nações. É fundamental que nos unamos para combatê-lo", disse o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, em um discurso em Riad.

"Coordenamos essa ação com o Reino da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Omã, Bahrein e Catar", detalhou.

A criação do TFTC foi anunciada em 21 de maio como um esforço conjunto liderado pelos Estados Unidos e pela Arábia Saudita que envolve todos os Estados do Golfo para atacar as fontes de financiamento de grupos indicados como "terroristas" em toda a região.

Segundo as autoridades, o EI expande a sua influência à medida que as operações com o apoio dos Estados Unidos eliminam suas bases na Síria e no Iraque.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP