Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Viajanta líbio embala laptop antes de embarcar para Londres no Aeroporto de Tunes, em 25 de março de 2017

(afp_tickers)

As 180 companhias aéreas que voam dos Estados Unidos e para lá conseguiram aplicar as medidas de segurança necessárias para não serem proibidas de levar computadores portáteis na cabine da aeronave, indicou nesta quinta-feira o Departamento de Segurança Nacional americano.

David Lapan, porta-voz do Departamento, afirmou que desde meia-noite desta quarta-feira todas as companhias aéreas e os 280 aeroportos de onde saem voos para os Estados Unidos, tinham cumprido a primeira fase das rigorosas medidas de segurança apresentadas em 28 de junho pelas autoridades americanas.

As novas medidas não foram detalhadas publicamente, mas incluem o aumento no número de cães farejadores, a detecção mais acurada de traços de explosivos, a revista de bagagens para encontrar produtos químicos e a inspeção de aparelhos eletrônicos.

As autoridades americanas tinha proibido, em 21 de março, o uso de computadores portáteis dentro da cabine da aeronave em voos diretos para os Estados Unidos provenientes de dez aeroportos de oito países (Marrocos, Egito, Jordânia, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Kuwait, Catar e Turquia).

Informações interceptadas pelos serviços de inteligência americanos davam a entender que o grupo Estado Islâmico (EI) queria fabricar um aparato eletrônico que contivesse explosivos.

AFP