Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Coluna de fumaça se ergue de área perto do aeroporto de Trípoli no dia 24 de julho de 2014

(afp_tickers)

Os Estados Unidos evacuaram neste sábado todos os funcionários na Líbia devido aos intensos combates registrados na capital, informaram funcionários de alto escalão.

Embora a embaixada já operasse com uma equipe reduzida, os funcionários que permaneciam na representação diplomática saíram em direção à Tunísia, horas após o governo interino líbio alertar que o Estado podia "naufragar" devido aos confrontos entre milícias rivais pelo controle do aeroporto de Trípoli.

O secretário de Estado, John Kerry, declarou de Paris, onde participava da reunião de ministros das Relações Exteriores sobre Gaza, que houve um risco real para os funcionários e insistiu que os Estados Unidos suspenderam as operações, mas não fecharão sua embaixada na capital líbia.

"Devido à violência atual pelos confrontos entre milícias líbias nas imediações da embaixada dos Estados Unidos em Trípoli, realocamos nossos funcionários fora da Líbia", explicou, por sua vez, a porta-voz adjunta de Estado, Marie Harf, em um comunicado.

"Estamos comprometidos em apoiar o povo líbio durante este período de desafios, e estamos analisando todas as opções para um retorno permanente a Trípoli depois que a segurança em terra melhorar", acrescentou.

O porta-voz do Pentágono, almirante John Kirby, informou que "os funcionários da embaixada foram levados em veículos à Tunísia" em uma operação de cinco horas que ocorreu sem inconvenientes e que foi vigiada pelo ar por aviões caça e helicópteros.

Os agentes de segurança americanos mobilizados na embaixada também foram retirados e vigiaram o comboio, mas as autoridades do país não informaram o número total de pessoas envolvidas.

Harf acrescentou que, por enquanto, "os funcionários trabalharão de Washington e de outros postos da região".

O departamento de Estado também recomendou que seus cidadãos não se dirijam à Líbia e convocou todos aqueles que estão no país a saírem imediatamente.

O comunicado acrescenta que "a situação na Líbia, em termos de segurança, permanece imprevisível e instável".

Grande proximidade

Novos confrontos explodiram na sexta-feira entre milícias líbias que lutam para tomar o controle do aeroporto internacional de Trípoli, palco de combates desde 13 de julho que provocaram o fechamento imediato das conexões aéreas do país com o resto do mundo.

"Lamentavelmente precisamos tomar esta decisão porque nossa embaixada está localizada muito perto dos intensos confrontos e da violência entre facções armadas líbias", disse Harf.

A porta-voz confirmou que os funcionários da embaixada saíram do país e que chegaram na manhã deste sábado à Tunísia.

Os Estados Unidos sofreram em 2012 um ataque de militantes contra uma legação diplomática na cidade de Benghazi (leste), no qual o embaixador Chris Stevens e três membros da equipe americana morreram.

Nos recentes confrontos, ao menos 47 pessoas faleceram e outras 120 ficaram feridas, segundo o ministério da Saúde líbio.

Estes confrontos - os mais violentos na capital líbia desde a queda do regime de Muammar Kadhafi, em 2011 - explodiram após um ataque dirigido por um grupo armado integrado por combatentes islâmicos e ex-rebeldes da cidade de Misrata (200 km a leste de Trípoli) que tenta expulsar os ex-insurgentes de Zenten, seus antigos companheiros de armas.

Os ex-rebeldes de Zenten controlam o aeroporto de Trípoli, assim como várias instalações militares e civis do sul da capital, desde a queda de Kadhafi.

AFP