Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O secretário do Tesouro dos EUA Steven Mnuchin, o vice-primeiro ministro chinês Wang Yang e o secretário de Comércio dos EUA Wilber Ross abriraram as negociações comerciais bilaterais em Washington, em 19 de julho de 2017

(afp_tickers)

Os Estados Unidos iniciaram nesta quarta-feira (19) a primeira negociação comercial com a China desde o início da presidência de Donald Trump, reclamando um intercâmbio "equitativo" e com mais acesso de seus bens e serviços ao gigante mercado asiático.

O secretário de Comércio, Wilbur Ross, pediu mudanças no comércio bilateral, após destacar que as exportações chinesas aos Estados Unidos aumentaram mais de 200% nos últimos 15 anos, criando um déficit comercial de 309 bilhões de dólares em 2016.

"Nós poderíamos entender se fosse só resultado natural das forças do livre-mercado, mas não é isso", afirmou Ross ao abrir o dia de discussões entre as duas maiores economias do mundo.

"Então já está na hora de reequilibrar nossas relações de comércio e investimentos, de forma mais justa, equitativa e recíproca", completou.

O secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, disse que as negociações com a delegação encabeçada pelo vice-primeiro-ministro Wang Chang apontam para passos concretos para ampliar o acesso das empresas americanas ao mercado chinês.

"Precisamos trabalhar juntos para maximizar os benefícios às duas partes. Mas isso só é possível se houver uma relação mais justa e equilibrada entre Estados Unidos e China", garantiu Mnuchin.

"Isso significa resolver os desequilíbrios provocados pela intervenção chinesa na economia", disse, completando: "Uma relação mais equilibrada vai gerar prosperidade para os dois países e para o mundo".

AFP