Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Rex Tillerson, em Washington DC, em 11 de setembro de 2017

(afp_tickers)

Os Estados Unidos "não reconhecem" o referendo "unilateral" de independência do Curdistão iraquiano e chamam todas as partes a "dialogar" e rechaçarem o uso da violência, declarou nesta sexta-feira o secretário de Estado americano, Rex Tillerson.

"A votação e os resultados carecem de legitimidade e nós continuamos apoiando um Iraque unido, federal, democrático e próspero", afirmou Tillerson em um comunicado, no qual também assegurou que os "Estados Unidos pedem a todas as partes, inclusive os vizinhos do Iraque, para rejeitar toda medida unilateral e o uso da força".

O chefe da diplomacia americana disse estar "inquieto com as potenciais consequências negativas desta medida unilateral".

"Exortamos às autoridades curdas iraquianas a respeitarem o papel constitucional do governo central e exortamos ao governo central a rejeitar as ameaças e qualquer alusão a um possível uso da força", acrescentou Tillerson, pedindo a todos os atores que se mantenham concentrados na luta para derrotar o grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Os Estados Unidos já haviam rechaçado de antemão o referendo organizado na segunda-feira no Curdistão iraquiano, considerando que poderia "aumentar a instabilidade" na região.

O "sim" à independência obteve maioria maciça na votação iniciada pelo presidente da região autônoma do Curdistão, Masud Barzani.

Embora as autoridades curdas tenham assegurado que proclamariam a independência automaticamente, Bagdá excluiu de imediato qualquer diálogo e cortou as conexões aéreas entre o Curdistão iraquiano e o exterior como forma de represália.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP