Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente da Bolívia, Evo Morales

(afp_tickers)

Os Estados Unidos classificaram como "graves e sem fundamento" as denúncias feitas pelo presidente Evo Morales sobre Washington ter financiado grupos opositores de direita com o intuito de desestabilizar o governo boliviano em 2008, declarou a embaixada americana nesta quarta-feira (26).

"São acusações graves, completamente infundadas e baseadas em motivações ideológicas", afirmou a missão diplomática americana em La Paz, de acordo com nota enviada à AFP.

Na segunda-feira (24), Morales declarou, baseado em informações do WikiLeaks, que Washington financiou a direita boliviana com aproximadamente quatro milhões de dólares provenientes do programa de cooperação USAID em 2008, retomando a ideia de um suposto golpe de Estado nesse país.

Segundo o presidente, esse plano incluiu a rebelião de quatro (Beni, Pando, Santa Cruz e Tarija) dos nove departamentos do país, além de ações "terroristas".

"O governo dos EUA não está envolvido em nenhum movimento separatista na Bolívia", certificou a embaixada americana.

Em 2008, Morales expulsou da Bolívia o embaixador americano e a agência antidrogas americana DEA, acusando ambos de apoiarem um suposto complô, ainda que a Casa Branca negue essa acusação. Desde então as relações entre os países estão a cargo de relações comerciais.

Em nota, a embaixada comentou que "todos os programas da agência de cooperação USAID são aprovados pelo Congresso americano, anunciados publicamente e os quais as autoridades do governo boliviano têm conhecimento".

Em 2013, Morales também expulsou a USAID, sob as mesmas denúncias de complô.

AFP