Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O intelectual e professor de Economia Ilham Tohti, visto em 12 de junho de 2010

(afp_tickers)

Os Estados Unidos pediram à China, nesta quarta-feira, a libertação do intelectual e professor de Economia Ilham Tohti, uigur acusado de ser separatista pela Justiça chinesa no oeste de Xinjiang.

Tohti foi preso em janeiro de 2014.

"Estamos preocupados com as informações de que a China condenou o eminente professor de Economia Ilham Tohti", disse a porta-voz adjunta do Departamento de Estado americano, Marie Harf, à imprensa.

"Pedimos às autoridades chinesas que libertem" Thoti e outros seis estudantes também detidos.

O governo dos Estados Unidos está "particularmente preocupado com a falta de transparência sobre seu bem-estar e acesso à representação legal", acrescentou Harf.

Promotores do extremo-oeste da região chinesa de Xinjiang publicaram a decisão na conta oficial do microblog Sina Weibo, o Twitter chinês, depois de apontar Tohti como "suspeito de separatismo".

AFP