Navigation

EUA pedem à China libertação do dissidente Liu Xiaobo

Um manifestante pede a libertação do Prêmio Nobel da Paz Liu Xiaobo, em Hong Kong, em 10 de dezembro de 2012. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 26. junho 2014 - 19:40
(AFP)

O governo do presidente Barack Obama voltou a pedir nesta quinta-feira à China que liberte o ativista Liu Xiaobo, mas não se pronunciou sobre o projeto de dar o nome do dissidente à rua onde fica a embaixada chinesa, em Washington, DC.

Pequim advertiu os Estados Unidos contra esse projeto de lei que está sendo discutido no Congresso.

Em 2009, Liu foi condenado a 11 anos de prisão por ter exigido publicamente reformas democráticas.

A porta-voz do Departamento de Estado americano, Marie Harf, declarou que Liu "tem desempenhado um papel importante na promoção do diálogo na China".

Sua mulher, Liu Xia, é mantida sob prisão domiciliar desde que seu marido ganhou o Prêmio Nobel da Paz, em 2010.

Liu Xiaobo "deve ser libertado, e a prisão domiciliar de sua esposa deve cessar", disse Harf à imprensa.

No que diz respeito à designação de uma rua na capital dos Estados Unidos com o nome do dissidente, Harf indicou que, "nesse momento, não tomamos uma posição pública".

Legisladores de todo o espectro político apoiam a mudança de nome da rua. Na terça-feira, uma comissão da Câmara de Representantes aprovou a mudança como parte de um projeto de lei do Departamento de Estado, que ainda precisa da aprovação das duas casas do Congresso.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.