Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente americano, Donald Trump

(afp_tickers)

Washington prometeu neste sábado "trabalhar estreitamente" com seus "amigos e aliados" depois que os congressistas americanos aprovaram sanções contra a Rússia que incomodaram algumas nações europeias por temerem que seus negócios sejam afetados.

O Congresso aprovou na quinta-feira (27) um conjunto bipartidário de sanções direcionados à Rússia, Irã e Coreia do Norte, em projeto de lei que o presidente Donald Trump concordou em assinar.

A medida tem como objetivo penalizar Moscou por interferir nas eleições presidenciais americanas de 2016 e pela anexação da Crimeia.

A decisão, porém, causou certa consternação nas capitais europeias, que estão acostumadas a acordar medidas contra a Rússia em ambos os lados do Atlântico, em uma frente ocidental que lembra a Guerra Fria.

A União Europeia (UE) expressou sua preocupação sob justificativa de que as medidas penalizam injustamente as empresas europeias que contribuem no desenvolvimento do setor energético da Rússia, e seus diplomatas pressionam fortemente os Estados Unidos para que elas sejam reduzidas.

O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, tentou acalmar as preocupações no sábado por meio de comunicado, no qual afirma que "Os quase unânimes votos pela lei das sanções no Congresso representam a forte vontade do povo americano em ver a Rússia tomar medidas para melhorar as relações com os Estados Unidos", ressaltou.

AFP