Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O secretário de Estado americano, John Kerry, em Tbilisi, Geórgia, no dia 6 de julho de 2016

(afp_tickers)

O Departamento de Estado americano recomendou nesta quinta-feira (7) que seus cidadãos não viajem para a Venezuela devido ao "crime generalizado" no país, à escassez de alimentos, remédios e outros bens, e aos frequentes episódios de revoltas e roubos.

"O crime violento - incluindo homicídios, ataques à mão armada, sequestros e roubos violentos de carros - é endêmico em todo o país (...), inclusive em áreas que geralmente são vistas como seguras e frequentadas por turistas", advertiu o departamento em um comunicado.

Citando a ONG local, o Observatório Venezuelano da Violência, o texto advertiu que a "Venezuela tem um dos índices de crime mais altos" e "a segunda taxa de homicídios" no mundo.

A "advertência" do Departamento de Estando é a longo prazo e difere de um "alerta", um formato que recomenda a população que evite um país por uma circunstância específica. Neste caso, ao contrário, o governo americano pede que seus viajantes evitem a Venezuela por tempo indeterminado.

"Os protestos políticos podem ocorrer espontaneamente e espera-se que tenham espaço com maior frequência nos próximos meses em Caracas e outras regiões do país. São comuns as longas filas para comprar produtos básicos e houve relatos de revoltas e violência durante estas esperas, que muitas vezes terminam em lojas saqueadas e ruas bloqueadas", indicou o comunicado.

O departamento também advertiu sobre os traficantes de drogas e grupos armados ilegais "que estão ativos nos estados de Zulia, Táchira e Apure na fronteira com a Colômbia".

O governo indicou, além disso, que as restrições de segurança que devem ser cumpridas pelos diplomatas creditados em Caracas dificultam os serviços que a embaixada pode fornecer a seus cidadãos.

Esta advertência atualiza uma prévia emitida em setembro de 2018.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP