Navigation

EUA reduz voos para toda Cuba, exceto Havana

Avião da American Airlines chega ao Aeroporto Internacional José Martí em Havana em novembro de 2016, no primeiro voo comercial a partir de Miami em 50 anos. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 10. janeiro 2020 - 15:55
(AFP)

Os Estados Unidos reduziram nesta sexta-feira drasticamente os voos autorizados a ir a Cuba, na tentativa de diminuir as receitas do turismo para a ilha comunista.

O secretário de Estado, Mike Pompeo, disse que os voos fretados só poderão se dirigir a Havana, e não a outros aeroportos - um passo já dado nos no caso de voos comerciais.

"A medida de hoje evitará que o regime cubano se beneficie dos serviços charter ampliados após a decisão de 25 de outubro de 2019, que suspendeu o serviço aéreo comercial para aeroportos de Cuba exceto o de Havana".

"As restrições afetarão ainda mais a capacidade do regime cubano de obter receita, que usa para financiar sua repressão contínua ao povo cubano e seu apoio desmedido ao ditador Nicolás Maduro na Venezuela", afirmou Pompeo.

O departamento de Estado destacou que a proibição de voos charter afeta nove aeroportos em Cuba, e anunciou um prazo de 60 dias para que as companhias que oferecem estas viagens suspendam suas operações.

O órgão revelou ainda que emitirá um decreto limitando o número de voos charter permitidos dos Estados Unidos para o Aeroporto Internacional José Martí, de Havana.

"Ao suspender os voos fretados para esses nove aeroportos cubanos, os Estados Unidos impedem ainda mais o regime cubano de obter acesso a moeda forte dos viajantes dos Estados Unidos".

O presidente Donald Trump inverteu drasticamente a política de abertura em relação a Cuba estabelecida por seu antecessor Barack Obama.

Cuba, que nega tais afirmações e considera que as sanções violam os direitos de seus cidadãos, repudiou a nova decisão.

"Rejeito energicamente a nova proibição do governo dos #EEUU de voos charter para #Cuba exceto #Havana e a restrição do número para este. É grave violação dos direitos humanos, da liberdade de viajar de americanos e impede a reunificação familiar. #CubaVsBloqueo", tuitou o chanceler cubano, Bruno Rodríguez.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.