Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Cultivo de espécie geneticamente modificada na França

(afp_tickers)

Os Estados Unidos reafirmaram nesta sexta-feira sua oposição às novas regras propostas pela Comissão Europeia para a comercialização de organismos geneticamente modificados (OGM) dentro da União Europeia.

Bruxelas autorizou nesta sexta-feira a importação e comercialização de 19 organismos geneticamente modificados depois de ter proposto aos Estados Unidos uma reforma que lhes permite proibir sua utilização dentro de seu território, entre eles 11 produtos da multinacional norte-americana Monsanto - soja, milho, colza e algodão.

"É difícil conciliar essa proposta com as obrigações da União Europeia e a aspiração a um mercado único sem entraves", ressaltou o vice-representante para o Comércio com os Estados Unidos (USTR, por sua sigla em inglês) Dan Mullaney, em coletiva de imprensa concedida ao final da nona sessão das negociações sobre o acordo de livre comércio entre Europa e EUA, em Nova York.

"Ainda estamos estudando as implicações da proposta, mas esperamos que a União Europeia atue de forma respeitosa com regras estabelecidas há décadas em matéria de relações comerciais", acrescentou.

O representante europeu nas negociações em Nova York, Ignacio Garcia Bercero, disse que a proposta da Comissão é "perfeitamente compatível" com as obrigações da União Europeia dentro das regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e que "mantém a primazia da ciência no processo de autorização".

AFP