Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas procuram trabalho em uma feira de emprego em Chigado, nos Estados Unidos, em 12 de junho de 2014.

(afp_tickers)

A taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu 6,1% em junho, no momento em que a economia criou 288.000 novos postos de trabalho, informou nesta quinta-feira o Departamento de Trabalho.

Os novos empregos foram criados principalmente na indústria e as contratações do governo também aumentaram, apesar de a taxa de atividade da força de trabalho permanecer em 62,8%.

Dessa forma, a taxa de emprego retrocedeu 0,2 ponto percentual em um mês para alcançar seu menor nível em seis anos. Os analistas esperavam que a taxa fosse se manter estável, em 6,3%.

Esses números representam uma queda de 0,5 ponto percentual em relação a janeiro e 1,4 ponto nos últimos 12 meses.

De acordo com o Departamento de Trabalho, o resultado é consequência de uma forte criação de empregos, que gerou 288.000 novos postos, em uma alta de 29% em relação a maio, quando foram registrados 224.000 novos postos de trabalho.

Esse dinamismo surpreendeu os analistas, que esperavam a criação de aproximadamente 210.000 postos de trabalho.

Em média, nos últimos três meses, os Estados Unidos criaram 272.000 empregos a mais do que as vagas fechadas.

O número de desempregados nos Estados Unidos teve em junho uma queda de 3%, a 9,5 milhões, contra 9,8 milhões em maio. Em relação a junho de 2013, a queda foi de 18%.

"Os lucros têm sido generalizados e se apoiam no crescimento do emprego nos serviços profissionais e comerciais, no varejo, nos serviços de alimentação e de saúde", afirmou em um comunicado Erica Groshen, uma das responsáveis do Departamento de Trabalho.

O setor privado foi responsável por quase todos os novos empregos de junho (262.000 postos), enquanto a administração pública foi responsável por apenas 26.000.

"Em resumo, o mercado de trabalho mostrava claros sinais de melhora, mas esta tendência se acelerou nos últimos meses", disse Jim O'Sullivan, da High Frequency Economics.

A economia norte-americana havia recuperado em maio os empregos perdidos durante a crise e na posterior recessão a partir de 2008.

Os setores que registraram crescimento mais alto em números absolutos foram os serviços profissionais a empresas, com 67.000 postos de trabalho criados, e o varejo, com 40.000.

Também observa-se um recuo no número de pessoas que trabalham em tempo parcial porque não conseguem trabalho em tempo integral: 275.000 pessoas saíram dessa condição em junho, situando-se em 7,5 milhões de trabalhadores.

Essa melhora converge com a atuação do Federal Reserve, que continua reduzindo sua injeção de liquidez mensal na economia com compras de bônus e títulos hipotecários.

O Fed mantém suas taxas de juros em um nível baixo, com o objetivo de incentivar o consumo e o investimento.

AFP