Navigation

EUA registram forte melhora no mercado de trabalho, com taxa de 6,1% em maio

Pessoas procuram trabalho em uma feira de emprego em Chigado, nos Estados Unidos, em 12 de junho de 2014. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 03. julho 2014 - 16:27
(AFP)

A taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu 6,1% em junho, no momento em que a economia criou 288.000 novos postos de trabalho, informou nesta quinta-feira o Departamento de Trabalho.

Os novos empregos foram criados principalmente na indústria e as contratações do governo também aumentaram, apesar de a taxa de atividade da força de trabalho permanecer em 62,8%.

Dessa forma, a taxa de emprego retrocedeu 0,2 ponto percentual em um mês para alcançar seu menor nível em seis anos. Os analistas esperavam que a taxa fosse se manter estável, em 6,3%.

Esses números representam uma queda de 0,5 ponto percentual em relação a janeiro e 1,4 ponto nos últimos 12 meses.

De acordo com o Departamento de Trabalho, o resultado é consequência de uma forte criação de empregos, que gerou 288.000 novos postos, em uma alta de 29% em relação a maio, quando foram registrados 224.000 novos postos de trabalho.

Esse dinamismo surpreendeu os analistas, que esperavam a criação de aproximadamente 210.000 postos de trabalho.

Em média, nos últimos três meses, os Estados Unidos criaram 272.000 empregos a mais do que as vagas fechadas.

O número de desempregados nos Estados Unidos teve em junho uma queda de 3%, a 9,5 milhões, contra 9,8 milhões em maio. Em relação a junho de 2013, a queda foi de 18%.

"Os lucros têm sido generalizados e se apoiam no crescimento do emprego nos serviços profissionais e comerciais, no varejo, nos serviços de alimentação e de saúde", afirmou em um comunicado Erica Groshen, uma das responsáveis do Departamento de Trabalho.

O setor privado foi responsável por quase todos os novos empregos de junho (262.000 postos), enquanto a administração pública foi responsável por apenas 26.000.

"Em resumo, o mercado de trabalho mostrava claros sinais de melhora, mas esta tendência se acelerou nos últimos meses", disse Jim O'Sullivan, da High Frequency Economics.

A economia norte-americana havia recuperado em maio os empregos perdidos durante a crise e na posterior recessão a partir de 2008.

Os setores que registraram crescimento mais alto em números absolutos foram os serviços profissionais a empresas, com 67.000 postos de trabalho criados, e o varejo, com 40.000.

Também observa-se um recuo no número de pessoas que trabalham em tempo parcial porque não conseguem trabalho em tempo integral: 275.000 pessoas saíram dessa condição em junho, situando-se em 7,5 milhões de trabalhadores.

Essa melhora converge com a atuação do Federal Reserve, que continua reduzindo sua injeção de liquidez mensal na economia com compras de bônus e títulos hipotecários.

O Fed mantém suas taxas de juros em um nível baixo, com o objetivo de incentivar o consumo e o investimento.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.