AFP

Sírio é levado pela Defesa Civil para um hospital em Maaret al-Noman depois de um suposto ataque químico em Khan Sheikhun, em 4 de abril de 2017

(afp_tickers)

Os Estados Unidos impuseram sanções financeiras contra funcionários do governo sírio em resposta a um suposto ataque com gás sarin contra civis no início de abril, anunciou o departamento do Tesouro.

As medidas envolvem o congelamento de todos os ativos nos Estados Unidos de 271 funcionários do Centro de Estudos e Investigação Científica da Síria (SSRC, na sigla em inglês), além da proibição para qualquer indivíduo ou empresa americana de fazer negócios ou acordos com os sancionados.

"Estas sanções amplas visam o centro de apoio científico ao ditador sírio Bashar al-Assad no terrível ataque com armas químicas contra homens, mulheres e crianças inocentes", declarou o secretário do Tesouro, Steven T. Mnuchin, em um comunicado.

"Os Estados Unidos enviam uma forte mensagem com esta ação que faz responsável todo o regime de Assad por estas violações flagrantes dos direitos humanos, a fim de dissuadir o uso deste tipo bárbaro de armas químicas", acrescentou.

Oitenta e sete pessoas morreram, incluindo várias crianças, no ataque lançado em Khan Sheikhun, na província síria de Idlib (noroeste).

O Tesouro já havia imposto sanções contra 18 funcionários sírios em janeiro e Mnuchin garantiu que o governo "vai continuar perseguindo implacavelmente as redes financeiras e todos os indivíduos envolvidos na produção de armas químicas utilizadas para cometer essas atrocidades".

Segundo o centro de estudos Iniciativa contra a Ameaça Nuclear, sediado em Washington, o SSRC é o maior centro de pesquisas científicas da Síria, com estreitos laços com as forças armadas do país.

O próprio centro já tinha sido objeto de duas declarações de sanções, em 2005 e 2007, devido a seu suposto papel no desenvolvimento de armas de destruição em massa.

Os 271 funcionários sancionados têm participação específica no programa de armas químicas ou estão envolvidos no mesmo desde 2012.

O Tesouro informou em um comunicado, publicado nesta segunda-feira, que o SSRC está profundamente envolvido nos esforços do governo sírio para desenvolver armas químicas e nos meios para lançá-las.

Washington realizou um ataque aéreo com o lançamento de 59 mísseis de cruzeiro contra um aeroporto sírio em 7 de abril, em resposta ao suposto ataque com armas químicas.

AFP

 AFP