Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Dois soldados americanos em Kandahar, Afeganistão, no dia 2 de agosto de 2017

(afp_tickers)

O Pentágono aumentou consideravelmente nesta quarta-feira a estimativa do número de militares americanos que estão atualmente no Afeganistão, antes da decisão do presidente Donald Trump de enviar milhares de soldados em sua nova estratégia para o país em guerra.

O diretor-geral do Pentágono, o tenente-general Kenneth McKenzie, afirmou que uma revisão mostrou que há aproximadamente 11.000 militares americanos no Afeganistão, em comparação à cifra de 8.400 soldados usada desde o ano passado.

A nova contagem, que inclui unidades temporárias, secretas e forças regulares, foi feita para estabelecer as bases para o aumento das tropas - possivelmente em cerca de 4.000 - como parte da nova estratégia de Trump para apoiar os militares afegãos na luta contra o Talibã.

Mas McKenzie não informou quantos novos soldados serão enviados.

O secretário de Defesa, Jim Mattis, "ainda não tomou essa decisão", disse, acrescentando que as ordens de mobilização ainda não foram emitidas.

McKenzie disse que quando o ex-presidente Barack Obama fixou em julho de 2016 um teto de 8.400 soldados no Afeganistão, os comandantes militares tiveram dificuldades para dispersar unidades completas, o que provocou "consequências imprevistas". Além disso, unidades temporárias e clandestinas não foram contabilizadas.

A nova estimativa foi revelada quase duas semanas após Trump e seu alto comando militar decidirem aumentar a presença de soldados americanos no Afeganistão para pressionar o Talibã e outros grupos extremistas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP