Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente da Eurocâmara, Antonio Tajani, durante debate em Estrasburgo, na França, em 14 de março de 2018

(afp_tickers)

O presidente da Eurocâmara, Antonio Tajani, e a ex-procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega, solicitaram nesta quarta-feira (14) ao Tribunal Penal Internacional (TPI) que avance em sua avaliação preliminar sobre os "supostos crimes" no país latino-americano em 2017.

"Pedimos ao Tribunal Internacional que vá adiante", disse Tajani na entrevista coletiva depois de se reunir com Ortega, que, na sua opinião, é "a última procuradora democrática da Venezuela", na sede da Eurocâmara em Estrasburgo, na França.

No dia 8 de fevereiro, o TPI anunciou o início desse exame preliminar sobre a situação na Venezuela, onde cerca de 125 pessoas morreram em 2017 durante manifestações opositoras.

A decisão respondeu a relatórios sobre uso da "força excessiva" pelos órgãos de segurança do Estado para "dispersar e reprimir" protestos, e o emprego "de meios violentos" por parte de manifestantes contrários ao governo.

"Eu denunciei a execução de mais de 8.000 venezuelanos entre os anos 2015, 2016 e 2017, denunciei torturas, desaparecimento, prisões, detenções arbitrárias, prisões e apreensões em massa sem ordem judicial, julgamentos militares a civis", explicou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.









Teaser Longform The citizens' meeting

Teaser Longform The citizens' meeting

The citizens' meeting

AFP