Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líderes de sete países africanos e europeus e a chefe da diplomacia da UE reunidos em Paris para uma cúpula sobre a crise migratória e de refugiados na EuropaParis, no dia 28 de agosto de 2017

(afp_tickers)

Dirigentes europeus propuseram nesta segunda-feira "identificar" no território de origem as pessoas com direito a asilo entre os emigrantes africanos que tratam de chegar à Europa, para "colocá-las em segurança o mais rápido possível".

A avaliação das solicitações ocorrerá "em zonas seguras do Níger e Chade, sob a supervisão da ACNUR" (Agência da ONU para os Refugiados), disse o presidente francês, Emmanuel Macron, em entrevista coletiva em Paris ao final do encontro, que reuniu líderes de sete países africanos e europeus e a chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini.

A identificação destas pessoas se realizará "com base em listas fechadas da ACNUR" e se aplicará entre "migrantes já identificados pela ACNUR e que residem nestes países de trânsito" na rota migratória para a Europa.

Para o presidente da França, esta iniciativa permitirá evitar que "mulheres e homens assumam riscos enormes em uma zona extremadamente perigosa no (mar) Mediterrâneo".

Macron recebeu seus colegas do Níger e do Chade, Idriss Deby Itno e Mahamadu Issufu, bem como o chefe do governo de união da Líbia, Fayez al Sarraj, cujos países estão na principal rota de trânsito dos migrantes para a Europa.

Do lado europeu, compareceram a chanceler alemã, Angela Merkel, os chefes dos governos da Espanha e da Itália, Mariano Rajoy e Paolo Gentiloni, e a chefe da diplomacia europeia.

Mariano Rajoy avaliou que o problema "é muito difícil e demandará tempo" para se chegar a uma solução definitiva, mas garantiu que a Europa "começou a caminhar na boa direção".

Os líderes africanos assinalaram que para se resolver a crise migratória é imperativo implementar em paralelo planos de ajuda ao desenvolvimento.

"O problema fundamental é o desenvolvimento (...) e necessitamos recursos", declarou Idriss Deby. "Estamos acostumados aos anúncios dos nossos parceiros há anos. Queremos propostas concretas".

"Não é apenas reprimir, é preciso uma dimensão de desenvolvimento" destacou o presidente do Níger.

Federica Mogherini admitiu que o "problema" de base é "a pobreza", mas "não será preciso inventar um novo Plano Marshall", recordando que a UE investe anualmente 20 bilhões de euros no continente africano.

Os países europeus lançaram programas de ajuda ao desenvolvimento e financiamento para seus parceiros africanos nos últimos anos visando parar o fluxo de emigrantes ilegais.

Em 2015, na Cúpula de Valletta sobre a migração, a UE aprovou a criação de um fundo de 1,8 bilhão de euros. Mas este auxílio foi insuficiente.

Um total de 125 mil migrantes atravessaram o Mediterrâneo por barco este ano, de acordo com a ONU. A grande maioria chegou à costa italiana, de onde viajam para outros países membros da UE. Cerca de 2.400 pessoas morreram durante a viagem.

A França procura melhorar os controles das fronteiras e as patrulhas na costa líbia, o principal ponto de partida para os emigrantes, e em paralelo ajudar na criação de empregos na África.

"A luta contra a migração ilegal acontece em duas frentes: desenvolvimento e segurança", disse uma fonte da presidência francesa.

Em julho, Macron também propôs - sem consultar seus aliados - a criação de centros de registro de migrantes na África, onde os requerentes de asilo que fogem da guerra poderiam apresentar um pedido para viajar para a UE.

Isso significaria que não teriam que realizar a perigosa travessia do Mediterrâneo organizada por traficantes de seres humanos, que muitas vezes colocam em perigo os emigrantes em embarcações precárias ou os abandonam ao seu destino.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP