AFP

O técnico Ronald Koeman em Liverpool, no dia 30 de abril de 2017

(afp_tickers)

O Everton, através de seu técnico, o holandês Ronald Koeman, ofereceu nesta quinta-feira todo seu apoio ao atacante Aaron Lennon, internado no domingo num hospital onde segue tratamento para "uma doença relacionada ao estresse".

"Oferecemos todo o apoio possível para que volte a se juntar a nós o quanto antes. Ficaríamos muito felizes em tê-lo de volta o quanto antes, mas a vida e a saúde são mais importantes que o futebol", explicou o técnico holandês, nesta quinta-feira em coletiva de imprensa.

Lennon, 30 anos, foi hospitalizado por problemas mentais, após uma intervenção da polícia na residência do jogador, em Salford, nos arredores de Manchester.

O "Mental Health Act" autoriza a polícia inglesa a deter qualquer pessoa para avaliar se seu estado requer um tratamento urgente por um transtorno mental e se considerar que existe risco de que o indivíduo atente contra a própria vida ou a vida alheia.

"Aaron Lennon está recebendo atualmente atenção e um tratamento por uma doença relacionada ao estresse", explicou o Everton em comunicado, na quarta-feira.

O clube mostrou seu apoio ao jogador pela situação que está vivendo, afirmando que a família do atleta pediu que sua privacidade fosse respeitada neste período.

Lennon, que disputou 21 jogos com a seleção inglesa, não joga desde 11 de fevereiro. O veloz jogador chegou ao Everton em 2015, comprado junto ao Tottenham.

"@AaronLennon12, outro cruel exemplo que mostra que os problemas mentais podem afetar qualquer pessoa. Que você melhore logo. Todos os meus melhores desejos e muito amor", escreveu no Twitter Andrew Flintoff, ex-capitão da seleção inglesa de críquete, que também lutou contra a depressão.

AFP

 AFP