Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente boliviano Evo Morales, em La Paz, no dia 5 de maio de 2015

(afp_tickers)

O presidente Evo Morales agradeceu neste sábado a proposta de acadêmicos de três países, recentemente reunidos na Argentina, para que o ex-presidente uruguaio José Mujica faça a mediação entre La Paz, Santiago e Lima para solucionar a revindicação da Bolívia de uma saída para o mar.

"Saudamos essa iniciativa dos profissionais sul-americanos, agradecemos a grande iniciativa dos profissionais e intelectuais", afirmou Morales em um ato público ao sul da cidade de La Paz.

Em 2013, a Bolívia levou o Chile à Corte Internacional de Justiça de Haia (CIJ), exigindo o cumprimento de sua promessa de garantir uma saída ao oceano Pacífico, acesso perdido pelos bolivianos em uma guerra do final do século XIX. Morales ressaltou que a aspiração boliviana ganha apoio internacional.

"Quase toda a América do Sulm, quase todo o mundo continua se juntando para reparar uma injustiça, para que a Bolívia volte ao oceano Pacífico com soberania", garantiu o presidente Morales.

A Bolívia, que perdeu sua única saída para o mar em uma guerra que também envolveu o Peru, exige de Santiago que lhe permita recuperar parte de sua qualidade marítima.

La Paz insiste que no último século Santiago lhe fez ofertas de saída marítima, mas que por diferentes motivos elas nunca foram concretizadas.

Já o Chile argumenta que todas as consequências derivadas da guerra foram resolvidas por um Tratado de Paz assinado pelos dois países em 1904.

Bolivianos e chilenos têm relações diplomáticas rompidas desde 1978.

Sobre o litígio internacional em Haia, a CIJ ainda precisa decidir se tem ou não jurisdição para julgar o caso.

AFP