Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) A localidade de Kugluktuk, em Nunavut, Canadá, em 17 de setembro de 2015

(afp_tickers)

Um estranho barulho no Ártico deixou os canadenses intrigados. Seria um mamífero marinho fazendo algo esquisito? Um submarino estrangeiro? Uma alucinação coletiva?

Uma patrulha militar e especialistas acústicos foram enviados para investigar, disse o Exército nesta quinta-feira.

As especulações aumentaram desde que caçadores Inuit do vilarejo de Igloolik ouviram o barulho inúmeras vezes no Estreito Fury and Hecla no ano passado.

Localizado entre a Passagem Noroeste e a Baía de Hudson, este estreito é usualmente frequentado por narvais, baleias, focas e leões-marinhos.

Mas no ano passado todos eles desapareceram, de acordo com os caçadores Inuit.

"Não há animais", disse Paul Quassa, oficial local eleito na Assembleia Legislativa de Nunavut, que acredita que o barulho seja o responsável por afastar a vida selvagem.

Seja qual for a origem, esse barulho "vem do fundo do oceano" e é alto, afirmou Quassa após ir ao local com um grupo de caçadores indígenas que foram os primeiros a reportar o ruído.

O Exército enviou em novembro uma patrulha aérea equipada com diversos sensores.

Depois de uma hora e meia sobrevoando o local, a tripulação não encontrou nenhuma anomalia acústica na superfície do oceano e nem abaixo dela, contou à AFP a major Josee Bilodeau da Joint Task Force North.

"A tripulação observou duas baleias e seis morsas na área", acrescentou.

O barulho não foi mais ouvido desde o relato original e o caso foi encerrado.

Mas em resposta às preocupações dos moradores Inuit, os militares enviaram dois especialistas acústicos para Igloolik que se juntarão à patrulha Canadian Rangers entre 25 de janeiro e 2 de fevereiro.

Os Rangers são uma força de cinco mil soldados Inuit encarregada de tomar conta do vasto e escassamente povoado Ártico.

"A patrulha irá dar aos especialistas a oportunidade de obter em primeira mão os informes da população local que inicialmente relatou" a questão, disse Bilodeau.

AFP