Navigation

Exército chileno destitui diretor de Escola Militar por homenagem a criminoso da ditadura

O Exército chileno durante celebração da independência do país, em Santiago, em 19 de setembro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 15. outubro 2018 - 22:44
(AFP)

O Exército do Chile destituiu nesta segunda-feira o diretor da Escola Militar, coronel Germán Villaroel Opazo, por permitir em um ato da instituição uma homenagem a Miguel Krassnoff, condenado por crimes cometidos durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

A imprensa local divulgou no domingo um discurso de Miguel Krassnoff Bassa - diretor de idiomas da Escola Militar e filho do ex-agente de Pinochet - agradecendo o suposto apoio militar a seu pai, o que desatou a ira entre ativistas de direitos humanos e integrantes da esquerda.

Após uma investigação solicitada pelo ministério da Defesa, o Exército pediu a Villarroel Opazo "a entrega imediata da direção" da Escola Militar "e sua renúncia ao cargo", informou o comandante Miguel Alfonso Bellet em entrevista coletiva.

Também foi determinada a saída de Krassnoff Bassa da direção de idiomas da Escola Militar e sua passagem para a reserva.

Miguel Krassnoff foi uma peça-chave da Direção Nacional de Inteligência de Pinochet (DINA) e aos 75 anos cumpre pena de prisão pelos crimes cometidos durante a ditadura.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.