Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Tropas chilenas desfilan durante la celebración del 206 aniversario de la independencia del país, el 19 de septiembre de 2016

(afp_tickers)

O Exército do Chile removeu nesta sexta-feira 21 generais, em uma profunda renovação do alto comando da instituição, abalada por um escândalo de apropriação indébita envolvendo dezenas de oficiais.

O afastamento dos generais se deu sob diversas formas, como renúncia voluntária, passagem à reserva e adequação às necessidades institucionais, explicou o Exército em um comunicado.

No total, 45% dos altos oficiais foram afastados e substituídos, destacou o Exército.

O afastamento dos 21 generais, a maioria em idade para permanecer na ativa por mais vários anos, ocorre semanas após a justiça militar decretar a prisão preventiva do vice-comandante do Exército, general John Griffiths.

Griffiths, no momento em liberdade sob fiança, foi derrubado pelo chamado "Milicogate", uma investigação que revelou uma rede de militares e civis envolvidos em apropriação indébita de fundos milionários procedentes da lei que reserva às Forças Armadas 10% do valor das vendas da estatal do cobre Codelco.

O general foi indiciado por orquestrar manobras com dinheiro público a seu favor e para outros oficiais, incluindo alguns dos generais removidos, segundo a imprensa local.

- Recuperar a confiança -

Na tarde desta sexta-feira, o ministro da Defesa, Alberto Espina, esclareceu que "seria incorreto e injusto deduzir que todos os generais que passaram à reserva estão envolvidos em fatos investigados pela justiça".

Mas Espina admitiu que um dos motivos da onda de remoções poderia ser a investigação que tenta limpar o Exército de práticas fraudulentas, como a compra de passagens em agências de viagens por preços superfaturados.

As agências de viagens investigadas pertenceriam a familiares dos militares.

Ao escândalo de corrupção no Exército se somam múltiplos casos de fraude nos Carabineiros - a polícia militarizada - que levaram à exoneração de dezenas de membros desta instituição.

No total, mais de 40 milhões de dólares foram desviados para contas particulares de policiais e civis desde 2006, segundo uma investigação.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP