Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O Exército da China anunciou que aqueles que têm o sonho de uma carreira militar serão obrigados a resistir à tentação da masturbação e dos jogos eletrônicos, uma medida que pretende garantir a saúde dos novos recrutas

(afp_tickers)

O Exército da China anunciou que aqueles que têm o sonho de uma carreira militar serão obrigados a resistir à tentação da masturbação e dos jogos eletrônicos, uma medida que pretende garantir a saúde dos novos recrutas.

A nova diretriz foi adotada após a constatação de que um número cada vez maior de aspirantes não é aprovado nos testes físicos do Exército Popular de Libertação (EPL), o maior do mundo em número de oficiais, com dois milhões de pessoas.

O Diário do EPL, jornal oficial do exército, enumera em uma rede social os 10 motivos que levam os potenciais recrutas a falha já na primeira peneira, um fenômeno debatido entre as autoridades.

Quase 20% dos candidatos são descartados por sobrepeso e 8% por ter uma "veia testicular hipertrofiada". Esta particularidade anatômica seria explicada por um excesso de masturbação, por muitas horas de jogos eletrônicos ou por uma falta de atividade física, segundo a publicação.

Os postulantes com tatuagens visíveis ou muito grandes também são eliminados, de acordo com o jornal. Outros candidatos não foram admitidos por problemas de fígado vinculados ao consumo de álcool.

Em uma localidade da China, mais da metade dos candidatos ao exército foram rejeitados de cara pelo estado físico considerado insuficiente, destaca o Diário do EPL.

"O processo de recrutamento acontece em virtude de procedimentos e regras estritas", afirmou em um comunicado o ministério da Defensa para justificar as medidas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP