Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Tropas ucranianas em uma estrada da região de Donetsk

(afp_tickers)

O Exército ucraniano tentava isolar nesta quarta-feira as áreas controladas pelos rebeldes pró-Rússia no leste do país, onde violentos combates deixaram 34 civis mortos.

"O principal esforço das forças ucranianas consiste em isolar as zonas (sob controle rebelde) para impedir a invasão de grupos armados ilegais a partir da Rússia", anunciou o Estado-Maior da operação militar ucraniana no leste do país.

A nova orientação estratégica foi divulgada depois do anúncio, na segunda-feira, do presidente ucraniano Petro Poroshenko de uma mudança de tática militar: as forças governamentais devem se reagrupar antes de uma nova ofensiva para cortar o acesso dos rebeldes à fronteira russa, que controlam parcialmente.

A Ucrânia e os países ocidentais acusam Moscou de transportar pela fronteira material militar e combatentes para reforçar os insurgentes.

Poroshenko confirmou informações divulgadas por um líder separatista sobre o envio de 1.200 homens bem treinados para os insurgentes, assim como blindados e tanques. Moscou negou a informação.

As forças governamentais já tentaram em várias ocasiões retomar o controle da permeável fronteira, até agora sem sucesso.

Cerco ucraniano a reduto pró-Rússia

Os combates das últimas 24 horas entre separatistas e o exército ucraniano na região de Donetsk, reduto pró-Rússia cercado pelos soldados de Kiev, terminaram com 34 civis mortos e 29 feridos, anunciou o governo regional.

O exército ucraniano perdeu nove homens nas zonas de combate (Donetsk e Lugansk) e 22 ficaram feridos, também nas últimas 24 horas.

A água corrente, cortada desde domingo à noite na região de Donetsk, estava sendo restabelecida nesta quarta-feira, segundo a prefeitura.

Os combates afetaram uma linha de energia elétrica que abastecia a principal central de tratamento de água.

Apesar do anúncio da prefeitura, moradores de Donetsk ainda eram obrigados a caminhar pelas ruas quase desertas da cidade com baldes de água.

Novos bombardeios atingiram a região da cidade nesta quarta-feira.

As forças de Kiev intensificaram nos últimos dias o cerco aos redutos dos insurgentes. Em Lugansk, intensos combates foram registrados durante a noite e a cidade sofre com a falta de água, energia elétrica e linhas telefônicas há duas semanas.

No campo diplomático, a Rússia anunciou na terça-feira que o presidente Vladimir Putin viajará em 26 de agosto a Minsk para participar em uma reunião de cúpula regional, que também terá as presenças do presidente ucraniano e de dirigentes da União Europeia (UE).

A presidência russa destacou que encontros bilaterais estão previstos durante a reunião, mas não informou sobre um encontro bilateral entre Putin e Poroshenko.

A Alemanha confirmou que a chanceler Angela Merkel visitará a Ucrânia no sábado e terá reuniões com o presidente Poroshenko e o primeiro-ministro, Arseni Yatseniuk.

Ao mesmo tempo, o comboio russo de ajuda humanitária aguarda pelo sétimo dia consecutivo perto da fronteira com a Ucrânia.

As autoridades ucranianas não começaram a inspeção dos caminhões sob a supervisão da Cruz Vermelha.

Kiev alega a falta de garantias sobre a segurança no traslado para território controlado pelos rebeldes na Ucrânia.

AFP