Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Parentes de policiais militares durante protesto em Vila Velha, no Espírito Santo, no dia 6 de fevereiro de 2017

(afp_tickers)

O Exército brasileiro decidiu, nesta quinta-feira (9), enviar paraquedistas e veículos blindados para o Espírito Santo, onde a onda de violência iniciada após a greve dos policiais já deixou - segundo relatos - mais de 100 mortos desde sábado (4).

"A partir de agora, determinei o reforço no ES com tropas paraquedistas, blindadas e aviação do Exército. A missão será cumprida", anunciou no Twitter o comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas.

O governador em exercício do estado, César Colnago, considerou na quarta-feira (8) que o contingente de 1.200 homens disponibilizados desde o início da semana "não era suficiente" para garantir a ordem pública. Pouco depois, o governo federal anunciou o envio de 550 militares a mais.

Desde sábado, parentes de oficiais da Polícia Militar bloqueiam a saída dos quartéis de várias cidades do Espírito Santo, pedindo melhores salários e condições de trabalho para os policiais. Pela Constituição, a corporação não tem o direito de fazer greve.

A ausência de policiais nas ruas culminou em um aumento de agressões, assaltos e homicídios nas ruas.

Ainda que as autoridades não tenham dado um número oficial, o Sindicato da Polícia Civil do Espírito Santo informou que foram registradas 101 mortes violentas entre sábado e quinta-feira ao meio-dia.

Nesta quinta, o governo estadual lançou um pedido para que a população doe sangue, explicando que as reservas "foram reduzidas ao mínimo nestes últimos dias".

Após finalizar sem acordo a reunião de quarta-feira (8), autoridades e representantes das famílias dos policiais voltaram a se encontrar hoje para buscar uma saída para a crise.

E, enquanto o sentimento de insegurança persiste no estado, a preocupação cresce no Rio de Janeiro diante dos rumores da possibilidade de haver uma greve similar.

O governo do Rio explicou, porém, que o pagamento dos salários atrasados a seus funcionários está em curso e que nenhuma greve está prevista, apesar dos boatos que circulam nas redes sociais e deixam a população em alerta.

O governador Luiz Fernando Pezão afirmou nesta quinta-feira à Rádio Gaúcha que pediu às autoridades federais que o Exército esteja pronto para intervir.

AFP