Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Veículos de artilharia do exército sírio perto da cidade de Deir Ezzor, nas mãos do grupo Estado Islâmico, em 3 de setembro de 2017

(afp_tickers)

O exército sírio e seus aliados avançaram até a cidade de Deir Ezzor, na província de mesmo nome, um enclave do regime sitiado pelo grupo extremista Estados Islâmico (EI), no leste da Síria, indicou neste domingo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

As forças de Damasco, apoiadas pela Rússia, estão se aproximando desse local há semanas, por várias frentes.

Neste domingo, chegaram a cerca de 10 quilômetros a oeste de Deir Ezzor, capital da província de mesmo nome, onde reconquistaram os campos petrolíferos de Al Jarata.

Os extremistas controlam a maior parte dessa província rica em recursos energéticos e, desde 2015, sitiam a cidade de Deir Ezzor, que continua nas mãos das forças governamentais.

Os moradores da cidade conseguiram sobreviver ao isolamento durante dois anos graças à ajuda humanitária recebida por via aérea.

O exército sírio se aproxima do enclave sitiado pela província de Raqa, a oeste, e por Homs, ao sul.

Enquanto isso, um comboio de combatentes do EI e civis evacuados da fronteira sírio-libanesa, que se dirigiam para a província de Deir Ezzor, em virtude de um acordo com o movimento xiita libanês Hezzbolah, aliado de Damasco, permanece detido perto de seu destino, indicou a coalizão liderada pelos Estados Unidos.

O comboio de 17 de veículos abandonou, nesta segunda-feira, a fronteira do Líbano com destino a Abu Kamal, em Deiz Ezzor, mas a coalizão internacional executou vários bombardeios para impedi-lo de chegar ao seu destino.

A coalizão indicou, neste domingo, que o comboio tinha se dividido em dois grupos. Um deles ia ao deserto ao noroeste de Abu Kamal, enquanto o outro se dirigia para Palmira, em Homs, controlada pelo regime sírio.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP