Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Policiais lançam bombas de gás lacrimogêneo durante manifestação, em Buenos Aires, no dia 20 de dezembro de 2001

(afp_tickers)

Um tribunal argentino condenou um ex-secretário de Segurança e um ex-chefe policial a 4 anos e nove meses e 4 anos de prisão, respectivamente, em julgamento pela morte de cinco manifestantes durante a repressão da rebelião popular que derrubou o ex-presidente Fernando de la Rúa.

De la Rúa, do partido conservador social-democrata Unión Cívica Radical (UCR), que agora compõe a aliança do governo de Mauricio Macri, foi absolvido destas acusações em novembro de 2010.

Enrique Mathov, que era o número dois do Ministério de Segurança, foi condenado pelos crimes de homicídio e lesões a quatro anos e nove meses de prisão, além da perda do mandato por 9 anos e meio.

Rubén Santos, que era chefe da Polícia Federal de De la Rúa, foi condenado a quatro anos.

Dois ex-chefes da Polícia, Raúl Andreozzi e Norberto Gaudiero, foram condenados a três anos e seis meses e três anos de prisão, respectivamente, enquanto outros quatro policiais receberam sentenças de três anos de prisão. Oito acusados foram absolvidos.

O processo abordou a morte de cinco manifestantes, além dos ferimentos a cem pessoas, ocorridos nos arredores da Praça de Maio, no centro de Buenos Aires. A repressão policial nos dias 19 e 20 de dezembro de 2001, deixou 30 vítimas fatais em todo o país.

As mobilizações contra De la Rúa e uma onda de saques nas principais cidades se alastraram em 2001 quando foi implementado um ajuste de baixa nos salários recomendado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Durante o julgamento, que começou em 2014, 500 testemunhas foram ouvidas. A defesa ainda pode recorrer.

AFP